Você deve saber ou pelo menos ter ouvido falar que alguns alimentos podem causar mau hálito. Sim, a ingestão de determinados alimentos realmente é capaz de provocar a halitose, mas sabia que a falta da ingestão de alimentos também pode trazer o mesmo problema?

Se você está fazendo dieta, pode vir a sofrer com o mau hálito e pode também sentir um gosto ruim na boca, que vem acompanhado de um cheiro nada agradável. Mas, não se preocupe, seguem 3 dicas de pequenas mudanças nos seus hábitos alimentares que podem evitar o problema.

Por que a sua dieta pode estar causando mau hálito?

Em primeiro lugar é importante lembrar que não são todas as dietas que causam mau hálito. Isso acontece quando há restrições de vários alimentos ou devido a longos períodos em jejum.

Para ajudar você a conseguir o corpo dos sonhos sem abrir mão de um hálito fresco e agradável, confira 3 dicas importantes para seguir durante sua dieta.

Evite dietas altamente proteicas

Uma dieta rica em gorduras animais, que se baseia na ingestão de muitos alimentos proteicos e pouquíssima ingestão de carboidratos, pode causar mau hálito. O corpo sem a energia da glicose dos carboidratos passa a utilizar como fonte de energia a gordura das carnes ingeridas e de seus derivados, depois de serem quebradas e transformadas em ácidos graxos.

O organismo começa a utilizar a gordura para transformá-la em glicose quando esta passa a atingir concentrações muito baixas, com objetivo de manter a quantidade de glicose ainda presente. O problema é que nesse processo também são produzidos os corpos cetônicos, que são eliminados por via pulmonar, alterando o odor do hálito.

Como evitar o  kau halito?

Para não correr o risco de ter halitose por causa da dieta, o ideal é manter uma alimentação balanceada que inclua diferentes grupos alimentares, para evitar que o corpo entre no processo que libera o mau odor, a hipoglicemia, com a consequente queima de gordura que ela provoca.

Nesse caso, o ideal é consumir carnes magras acompanhadas de pequenas porções de carboidratos de baixo índice glicêmico. Estes carboidratos são alimentos com estruturas químicas mais complexas, que demoram mais para serem digeridos e são absorvidos lentamente, evitando o armazenamento em forma de gordura e contribuindo para a sensação de saciedade. Exemplos de carboidratos com baixo índice glicêmico são a bata doce, abóbora cabotiã, quinoa, maça, etc.

2 – Evite longos períodos de jejum

Ficar sem comer por mais de 4 horas faz com que a glicemia do seu organismo caia e mais uma vez precise queimar ácidos graxos para manter um bom funcionamento, o que provoca o mau hálito cetônico. Portanto, para evitar esse desconforto siga a regra de ouro das dietas, se alimentando de 3 em 3 horas.

Ah, e lembre-se que a mesma regra vale para fazer exercícios físicos sem se alimentar. Além de ser perigoso por provocar a hipoglicemia, vai contribuir ainda mais para halitose, por gerar uma queima intensa de gordura. Nesse caso, sempre ingira algo leve antes de praticar exercícios físicos.

3 – Cuidado com a ingestão de remédios para controlar o apetite

Isso mesmo, os remédios para emagrecer causam mau hálito, uma vez que causam alteração na quantidade e qualidade da saliva, o que leva a mucosa bucal a ficar ressecada e descamar. Essas pelezinhas que se descamam dos lábios e bochechas vão contribuir para o aparecimento da saburra lingual, placa esbranquiçada ou amarelada que se forma no fundo da língua e que é a principal causa da halitose. É muito importante lembrar que remédios para emagrecer só devem ser utilizados com acompanhamento e receita médica.

Esteja sempre atento, o caminho para um corpo são, mente sã e sorriso e hálito saudáveis é a reeducação alimentar, com o consumo equilib