Pesquisa: Enxaguatório Halitus e Cáseos Amigdalianos

13 de Novembro de 2010

Pesquisa: Enxaguatório Halitus e Cáseos Amigdalianos

Enxaguatório para cáseos amigdalianos

Pesquisa: Avaliação de um novo enxaguatório na formação de cáseos amigdalianos

Resumo: Os cáseos amigdalianos afetam uma significativa porcentagem da população. As cirurgias, conservadoras ou não, têm sido as únicas alternativas viáveis de tratamento. Entretanto, ainda hoje não há um método econômico e não-invasivo de tratamento que apresente resultados satisfatórios.

Objetivos: Os objetivos deste estudo são avaliar a eficiência de um enxaguatório, cujos ingredientes ativos associam substâncias oxigenantes e antimicrobianas, na diminuição da formação dos cáseos amigdalianos e da saburra lingual, cuja etiologia é semelhante à dos cáseos, e avaliar a redução da concentração dos compostos sulfurados voláteis (CSVs).

Forma de Estudo: Estudo clínico e experimental, randomizado, duplo-cego, placebo-controlado. Material e Método: Foi utilizada uma amostra de 50 voluntários, com queixa de tonsilite crônica caseosa há mais de um ano. A pesquisa foi realizada em 2005, nas cidades de São Paulo e Campinas.

Resultados: Para o grupo que utilizou a solução placebo, não houve correlação entre as variáveis nem significância estatística nos resultados. Para o grupo que utilizou o enxaguatório, os resultados foram significativos em todos os quesitos analisados. Conclusões: O novo enxaguatório demonstrou ser uma alternativa conservadora viável para o tratamento da tonsilite crônica caseosa, sendo eficiente também na redução da formação de saburra lingual e concentração dos CSVs.

Para ler este estudo na íntegra, publicado na Revista Brasileira de Otorrinolaringologia em Março de 2008, acesse www.halitofresco.com.br/pdf/avaliacao-de-um-novo-enxaguatorio-na-formacao-de-caseos-amigdalianos.pdf

Compartilhe

Comentários

Deixe seu comentário abaixo.